Atacante do América fará estreia no Mineirão: ‘Primeira vez de chuteira’

Veja o conteúdo original na SuperFC Jornal O Tempo

O primeiro Campeonato Mineiro da carreira de Marcelo Toscano apresenta inúmeras novidades, como viagens ao interior do Estado. Uma delas, entretanto, será justamente na capital. Diante do Atlético, no próximo domingo (17), o meia-atacante do América irá conhecer o Mineirão da maneira correta: de meião e chuteira.

Aos 33 anos, com nove clubes brasileiros no vasto currículo profissional, Toscano jamais atuou no Gigante da Pampulha. Algo que acabará nesta 10ª rodada do Mineiro, que vale a disputa direta pela liderança da primeira fase contra o Galo.

“Estou muito ansioso e feliz de poder pisar no gramado do Mineirão pela primeira vez. Eu já estive no estádio, mas em outra situação, na abertura do Campeonato Mineiro, onde tem o lançamento. Mas de chuteira, meião, esta vai ser a primeira vez. Espero estrear da melhor forma possível”, afirmou Toscano, ao SuperFC.

Depois de encarar o Atlético, o América fecha a fase inicial do Mineiro contra o Guarani de Divinópolis, no Independência. Depois de começar a campanha com viagens a Poços de Caldas, Tombos e Patrocínio, o Coelho somará três últimas rodadas em BH.

“No começo do campeonato mineiro a nossa equipe teve muitas viagens pelo interior, bem cansativas. E agora na reta final, serão três jogos seguidos em Belo Horizonte, o que é positivo no sentido de condições físicas para o elenco”, completou o jogador.

Em 2015, quando chegou ao Coelho pela primeira vez, Toscano foi destaque da equipe que conseguiu o acesso à Série A. Naquele ano, porém, não disputou o primeiro semestre pelo decacampeão e perdeu o Mineiro. O camisa 7 ainda se encontra em processo de readaptação ao futebol brasileiro. Ele passou os três últimos anos no Jeju United, da Coreia do Sul; e no Omiya Ardija, do Japão.

HORA DO GOL
Presente nos 11 jogos do América na temporada, titular absoluto de Givanildo Oliveira, Marcelo Toscano ainda não encontrou o caminho das redes na volta ao Brasil. Se fez 14 gols na campanha vencedora de 2015 na Segundona, só anotou uma vez neste início de 2019. E foi na estreia em casa contra o Villa Nova, segunda rodada do Estadual. Nada que tire o sono do experiente atleta.

“São três anos fora. Eu jogava em outra cultura (asiática), estilo de jogo. A cada jogo que passa, que vamos jogando, a confiança vai aumentando. Lógico que os gols não estão saindo, mas isso vai acabar com o passar do tempo. As coisas acontecem naturalmente. O importante é que nossa equipe está bem na competição, focado e com margem de crescimento. Naturalmente, o meu futebol também vai crescer”.