Integrante de torcida organizada é preso com drogas em BH

Veja o conteúdo original na SuperFC Jornal O Tempo

Três homens, entre eles um integrante da torcida organizada Comando Zona Norte (CZN) do Cruzeiro, foram presos suspeitos de envolvimento com o tráfico de drogas em Belo Horizonte. Eles foram detidos na noite dessa terça-feira (12) no bairro Planalto, na região Norte.

Segundo o boletim de ocorrência da Polícia Militar, policiais do 13º Batalhão foram informados que um homem de 28 anos e outro, de 27, estavam em um Fiat Punto portando drogas.

“Nós tivemos uma informação priveligiada que um indivíduo estaria entregando drogas. Nós também tivemos informações que ele usava como se fosse um ‘QG’ da associação ao tráfico”, explicou o tenente Antônio Matoso. 

Com integrante da torcida foram localizados nove pinos de cocaína. O outro tentou subornar os policiais com uma arma. A equipe fingiu aceitar e foram até a casa dele, onde encontraram uma pistola 635. Durante o registro da ocorrência, um homem de 34 anos também foi preso.

Ao todo, na residência do terceiro preso e em outros imóveis que foram alvos de buscas, a polícia apreendeu: dois revólveres calibre 38; munições de calibres 12, 22 e 25, 67; papelotes de cocaína; porções e buchas de maconha; R$ 691 em dinheiro; três balanças de precisão e dois celulares.

“Eles alegam que são traficantes de pequena proproção, mas tinha uma prensa no local. A princípio, eles pegavam drogas de boa qualidade – com pureza elevada – misturava, prensava e depois vendiam para para outros traficantes. No crime não existe honestidade”, contou o militar.  

Comércio

Em conversa com os policiais, o detido mais velho confessou que vende cada pino de cocaína por R$ 20 para integrantes da CZN, amigos de pessoas que participam da torcida organizada e universitários que estudam na mesma faculdade particular que o suspeito. “Esse membro da torcida organizada e facilitava a venda dos entorpecentes. Ele alega que fazia essa venda para saldar uma dívida anterior”, detalhou o policial.

O trio foi encaminhado à Delegacia de Plantão I (Deplan).

Outro lado

Na manhã desta quarta-feira (13), a reportagem de O TEMPO esteve na sede da Máfia Azul, no Barro Preto, região Centro-Sul da capital, mas os integrantes das torcidas organizadas afirmaram que não tinham conhecimento do caso e não passaram nenhum contato dos representantes da CZN.

 

Atualizada às 10h40